8 de julho de 2010

Até quando?


Aquele texto da Elisa Lucinda serviria perfeitamente de base para esse texto. Mas, como ele já foi postado aqui (link), vou tentar fazer algo com as minhas próprias mãos. Estou completamente indignado com certas coisas que acontecem ao nosso redor. Acabei de ler uma "reportagem" em forma de diário que conta os 44 dias de uma menina sequestrada. Como se o fato dela ser mantida em cárcere privado não fosse o bastante, ela era submetida a barbaridades que doeram em ler. Posso nem imaginar como seria sentir. Materiais introduzidos em seus órgãos genitais, queimaduras, espancamentos e estupros. E não são queimaduras, espancamentos e estupros normais, se é que existe algo de normal nisso. Ao todo, foram mais de 400 estupros. Queimaduras das formas mais inimagináveis possíveis. Junko Furuta, uma linda garota japonesa, foi obrigada a beber da própria urina e se alimentar de baratas. Quando já nem conseguia se mexer de dor e impossibilitada até de respirar pelo nariz, chegou a implorar pela própria morte. Seu rosto foi queimado por vela e seu corpo mutilado em uma tortura final de duas horas.

Maio de 2010. A ex-procuradora Vera Lúcia é presa por torturar uma criança de DOIS anos. Motivo? Se me perguntarem, direi psicopatia, se é que essa palavra existe. Na semana seguinte, saiu uma reportagem na revista Veja sobre isso. Se quiserem saber por que um indivíduo desse porte adota uma criança, aí vai: Ela recebe uma aposentadoria de 25,000 reais mensais e não queria dar esse dinheiro pro governo quando morresse. A pergunta que não quer calar: Como ela consegue adotar uma criança? Com tantos casos de pessoas sofrendo para uma adoção, que ficam anos e anos na fila procurando uma criança para tomar conta e nada. A prova de que o dinheiro faz coisas que até Deus duvida.

Quem não se lembra do caso do menino João Hélio? Aquele cuja mãe foi assaltada e, ao levarem o carro, o garoto ficou preso pelo cinto de segurança e arrastado com a cabeça tocando o asfalto por quilômetros.

Um dos crimes que mais chocou o país, com certeza, foi o da Isabella Nardoni. Uma criança linda, amada pela mãe, que foi brutalmente assassinada pelo próprio pai. Aliás, pode essa pessoa ser chamada de pai? I don't think so. Depois de dois longos anos, o casal foi condenado por anos e anos de reclusão em regime fechado.

Mas, como assim? Alguém, por favor, poderia me explicar como essas pessoas, quando vão, são presas? Elas tiram a vida de pessoas inocentes, ou, no caso do post, crianças com um futuro todo pela frente. Essas pessoas merecem viver? Quem sou eu para julgar alguém, mas acho que estou em melhores condições que essas pessoas, por isso, sim, estou aqui, mostrando a minha completa INDIGNAÇÃO! Sim, IN-DI-GNA-ÇÃO. "Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada aos conselhos simples de meu pai, minha mãe, minha avó e os justos que os precederam".
Confesso: não consegui não usar o texto da Elisa. Um texto maravilhoso, profundo, que deixa muito a se pensar sobre o ser humano. Criaturas sujas, seres que se vendem por nada. Pessoas que são verdadeiros animais, no sentido mais podre da palavra.

7 comentários:

Biia Haack disse...

Você acabou de colocar em uma folha a indignação de milhares de pessoas, acredite. Incluindo a minha. Isso é desumano, egoísmo, tudo de ruim e mais um pouco. Pessoas assim me fazem vomitar.

Anônimo disse...

Perfeito, Gu. Indignação, é a palavra certa para o que a gente sente. É muita crueldade, violência, falta de amor ao próximo e a Deus. O que me deixa mais triste é saber que quanto mais o tempo passa, mais esses casos se tornam mais banais e frequentes. Enfim, ótimo post. Você manda muuuito bem escrevendo. Te amo s2

Alberto Leão ~* disse...

Por mais indignação que você sinta, escrever ñ vai mudar muita coisa, até mesmo pq esses são casos em que ouve um exagero por parte dos atuantes e da mídia. Os artigos publicados pela imprensa foram tão importantes para eles como uma chuva forte em São Paulo ou alguma crise financeira. Essas notícias só são dadas no momento oportuno. Para eles ñ é noticiar a morte de uma criança, mas sim dar luz à drama da morte e deixar o palhaço fonho na penumbra. Por que ninguém fala das crianças nordestinas, vítimas do turismo sexual(o que eu considero próximo ao estupro)? Por que ninguém se lembra do que estava acontecendo no governo na época da Isabella Nardoni? Fico espantado com o caso da Isabella. Só algo me espanta mais: a personificação do desastre imposta aos seus pais, enquanto um político provoca muito mais desastres a MUITO mais gente na mesma época e sai impune.

Salomão S. Boaventura disse...

Tais atitudes nada humanas são sim nojentas e dignas de repúdio. A sociedade brasileira necessita de uma metanóia que a liberte de pensamentos obsoletos, preconceituosos e homofóbicos com relação a pessoas que se amam e punir de forma exemplar aqueles que destroem o dom mais precisoso que se tem: a vida.

Cibele disse...

Fiquei sem palavras quando li sobre. Só consegui ganhar um ódio imenso de saber que existem seres humanos que são piores que animais irracionais e conseguem praticar barbáries como essas.

Roberta disse...

Eu compartilho da mesma indignação que você. Fiquei chocada com esses crimes que aconteceram e inclusive estou montando um post para o meu blog sobre isso. A única explicação que tenho sobre isso é a falta de amor, isto é, falta de Deus. Não sou fanática por religião, mas cada dia que passo vejo que o homem se assemelha mais aos animais e assim se distancia mais de Deus, já que Ele nos fez a sua imagem e semelhança.

Anônimo disse...

O ser humano consegue ser pior que um animal algumas vezes. Vejo o cão, um animal tão fiel, sinto que o homem é sujo, repugnante e não mede consequências pra conquistar seus objetivos e até matar eles fazem. Assusta que o animal racional, seja tão cruel e impiedoso :/